quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Spin off...

Resolvi criar o meu próprio blog sobre uma das minhas paixões: a cozinha! 
Vão lá espreitar, com a promessa de que em breve começarei a partilhar as minhas receitas!

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Chefes...

Ando a trabalhar há 6 anos e já passei por muitos chefes. Uns muito bons, outros perfeitas crianças, outros que me mentiram e baixaram o meu rendimento anual... Já tive de tudo, uns melhores que os outros, mas pensei que depois do último (o tal do mentiroso que se esqueceu de me pagar o bónus e sugeriu que pedisse um empréstimo com esse fim) pensei que não podia piorar. Mas, como tudo na vida, claro que podia. 
Hoje vou falar da minha chefe. Vou falar porque já não aguento guardar isto para mim. Vou falar porque ela é desequilibrada e está-me a desequilibrar aos poucos. 
A minha chefe tem 54 anos e é viúva há 20. Já sei "coitada, sofre muito". Sim, é verdade, mas todos sofremos e não andamos a tratar mal toda a gente. A minha chefe tem dias que nem bom dia diz e depois é super mal educada para todos. A minha chefe tem como principal passatempo humilhar o nosso colega de 35 anos nas reuniões semanais. Mas humilhar mesmo, até burro já lhe chamou. A minha chefe chega às 11 da manhã, mas chamou-me à atenção por chegar às 9h30, mesmo sabendo que eu não vou tomar pequeno-almoço nem demoro 2h a almoçar como ela. A minha chefe tenta tratar-nos via política de medo, fazendo más caras e gritando quando algo não está mesmo como ela quer. A minha chefe muda de ideias a cada 5 minutos, tornando muito dificil a gestão dos temas que estamos a tratar. A minha chefe é como um marido violento. Bate-nos e depois dá-nos flores. A minha chefe diz que tem muitos problemas, mas não aceita os nossos. A minha chefe fez-me ficar numa 6ª feira até às 21h por uma coisa que não era importante, e noutra até às 19h sabendo que estava com 39º de febre, também por alguma coisa que não era importante. A minha chefe teve a lata de me dizer que eu lhe peço férias, quando ainda tenho 17(!!!) dias úteis para gozar este ano e quando tive de me ligar a 2 conferences calls nas minhas férias do Verão. A minha chefe é a causa para a minha colega estar no psicólogo. A minha chefe deixa-me nervosa e com vontade de lhe dizer tudo o que penso mas não posso. A minha chefe é a pior de sempre, uma cobra, uma víbora do pior, e todos os dias vivo uma espécie de terror psicológico. 
E não estou a exagerar, até fui bastante suave dada a gravidade do caso. E o pior? Ninguém mais nos apoia ou ajuda aqui. 

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Momentos de Mudança

Quando tinha aí uns 13 anos decidi que o meu sonho era ser jornalista. Assim daquelas à antiga, que vão para as zonas de conflicto, que fazem reportagens daquelas mesmo boas, daquelas que uma pessoa vê e pensa "bolas, nem sabia que isto existia". Ou então daquelas que faz entrevistas a grandes personalidades, que os faz corar, que é implacável mas educada. 
Nessa altura, haviam três pessoas que eram a minha absoluta referência: o Miguel Sousa Tavares, a Margarida Marante e a Cândida Pinto. Nessa altura, escrevia cartas e cartas para a Grande Reportagem, a comentar artigos. Uma dessas cartas chegou a ser publicada, e eu não cabia em mim de contente. 
Hoje, a Margarida Marante já não está entre nós, depois de nos últimos anos ter completamente desaparecido, o Miguel Sousa Tavares é comentador e escritor e eu não consigo ler os seus livros. A Cândida Pinto, no entanto, continua a ser uma referência para mim. Apesar de ter seguido uma coisa totalmente diferente, continuo a acreditar que tenho um bichinho do jornalismo aqui dentro, e cada vez que vejo alguma coisa dela valido porque continuo a achar que ela é a melhor. 
Isto tudo para dizer que ontem vi o Momentos de Mudança, o novo programa da Cândida Pinto e da sua equipa de também grandes jornalistas. Há muito tempo que não via uma coisa de tanta qualidade. O tema ontem era dado a sensacionalismos, pessoas que vivem com o HIV. Normalmente, quando se faz este tipo de programa, sobre seropositivos, entrevistam-se prostitutas, toxicodependentes, etc. A equipa do Momentos de Mudança quis realmente contribuir para acabar com preconceitos e seguiu a vida de uma miúda de 19 anos, alentejana, que nasceu saudável mas que ficou com o HIV através da amamentação, a Alexandra. A mãe da Alexandra não sabia que era seropositiva, não sabia que o virus se podia passar através da amamentação, tinha de ir a Lisboa para dar os tratamentos adequados à Alexandra. Os pais da Alexandra não correspondiam ao estereotipo de seropositivos. Casados há 20 anos, ficou por saber como foram infectados. Mas a sua vida no dia a dia é igual à de tantos outros portugueses. Excepto na parte em que vivem com um estigma gigantesco, com 300 Euros por mês (o custo dos medicamentos ultrapassa os 500) e com uma grande vontade de dar uma vida normal à Alexandra. 
A Alexandra tem muitos sonhos, entrar na faculdade e tirar um curso superior, casar, ter filhos. E é impressionante o optimismo desta miúda, mas também o realismo de saber que os seus pais podem ficar muito doentes e morrer a qualquer momento e é bem possível que ela não chegue a encontrar ninguém nem a ter filhos. Já entrou na faculdade. Espero sinceramente que alcance todos os seus sonhos. Ela merece. 
E obrigada à SIC e a esta equipa por nos dar a conhecer estes casos, estas histórias. Faz falta. 

domingo, 21 de outubro de 2012

Cooking Sunday

Já escrevi aqui o quanto gosto de cozinhar. É a minha terapia e não me canso dos tachos. 
A semana passada foi horrível, e Sexta-Feira resolvi ficar em casa e cozinhar. Fiz empadão de carne, sobrou imenso, mas demos cabo dele Sábado ao almoço. Hoje decidi aproveitar o Domingo chuvoso para voltar à cozinha. O meu almoço foram ovos Benedict. O molho holandês não ficou perfeito, mas o sabor estava bom. Depois fiz bolo de iogurte com banana e agora tenho sopa ao lume. 
Amanhã vou trabalhar bem mais relaxada depois deste fim de semana de cozinha, descanso (dormi como se não houvesse amanhã) e filmes. 

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Outono / Inverno

Não, este não é um post sobre as tendências para a estação. Eu de moda entendo o básico e pouco me importa a tendência militar ou os novos ténis com salto (sinceramente, eu ando de ténis precisamente para não calçar saltos... para quê tornar o confortavel em desconfortavel?). Neste post vou falar do quanto eu adoro esta altura do ano. 
Assim que chega o primeiro friozinho que me faz vestir uma sweatshirt em casa fico logo contente. Sim, gosto do verão, mas quando vou à praia. De resto odeio o calor abrasador que faz aqui em Madrid, a tensão baixa, os pés inchados. Sou uma pessoa de Outono e de Inverno, de chás com bolos acabados de fazer, de tardes com manta e filmes, de sobretudos e de horas na cama a ouvir a chuva a cair. Amo as cores do Outono, as folas avermelhadas dando os primeiros sinais de que as árvores ficam nuas em breve. Adoro fazer batatas doces no forno e comer castanhas. E, claro, adoro o Natal! Novembro e Dezembro devem ser os meus meses favoritos, logo depois de Abril. 
Um dia, se me casar, será no Inverno. Toda a gente acha que sou maluca, mas não resisto à tentação de imaginar um casamento tipo "Winter Wonderland". 
Aqui em Madrid já ando com o sobretudo e nos pés da cama já está a minha mantinha para aquecer os pés enquanto vejo séries e oiço a chuva a cair. Sábado vai ser dia de fazer o bolo e Domingo espero não fazer absolutamente nada se não ver filmes e beber chá. E, claro, bem acompanhada. 

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Sentir Saudades

Todos os dias sinto saudades. Saudades dos meus amigos em Lisboa, dos meus pais e da minha família que não vejo há 1 mês. Tenho muitas saudades do meu querido avô que já partiu há 8 anos, mas que parece que foi ontem. Estas saudades são quase imperceptíveis, no sentido em que se traduzem numa memória, num pensamento, e só doem de vez em quando. São saudades permanentes, e já inerentes ao dia a dia de quem vive fora. No entanto, há muito tempo, mas mesmo muito, que não sentia daquelas saudades que mexem com o nosso sistema. Daquelas que nos fazem desejar o dia do reencontro, o abraço, o beijo. 
Este fim de semana (apesar de fantástico) senti. 

E o reencontro foi tão bom. 

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Sabes que estás velha quando... # 6

O teu ideal de fim de semana bem passado implica um hotel no meio do nada, um spa, bons almoços e jantares e muitas horas de sono em vez de festa e discotecas.